Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

A Arte de Ouvir

Deixe um comentário

Ouça o audio deste artigo

A Arte de Ouvir

Querido leitor, que você esteja bem. Hoje vamos refletir sobre um texto oportuno de Rubem Alves: “Saber Ouvir”.

De todos os sentidos, o mais importante para a aprendizagem do amor, do viver juntos e da cidadania é a audição. Disse o escritor sagrado: “No princípio era o Verbo”. Eu acrescento: “Antes do Verbo era o silêncio.” É do silêncio que nasce o ouvir. Só posso ouvir a palavra se meus ruídos interiores forem silenciados. Só posso ouvir a verdade do outro se eu parar de tagarelar.

Diz Rubem Alves: Quem fala muito não ouve. Sabem disso os poetas, esses seres de fala mínima. Eles falam, sim. Para ouvir as vozes do silêncio.

Não nos sentimos em casa no silêncio. Quando a conversa para, por não haver o que dizer, tratamos logo de falar qualquer coisa, para por um fim no silêncio. Vez por outra tenho vontade de escrever um ensaio sobre a psicologia dos elevadores. Ali estamos, nós dois, fechados naquele cubículo. Um diante do outro. Olhamos nos olhos um do outro? Ou olhamos para o chão? Nada temos a falar. Esse silêncio é como se fosse uma ofensa. Aí falamos sobre o tempo. Mas nós dois bem sabemos que se trata de uma farsa para preencher o tempo até que o elevador pare.

O aprendizado do ouvir não se encontra em nossos currículos. Para Rubem Alves, a prática educativa tradicional se inicia com a palavra do professor. A menininha, Andréa, voltava do seu primeiro dia na creche. “Como é a professora?”, sua mãe lhe perguntou. Ao que ela respondeu: “Ela grita...” Não bastava que a professora falasse. Ela gritava. Não me lembro de que minha primeira professora, Da. Clotilde, tivesse jamais gritado. Mas me lembro dos gritos esganiçados que vinham da sala ao lado. Um único grito enche o espaço de medo. Na escola a violência.

Talvez seja essa a razão porque há tantos cursos de oratória, procurados por políticos e executivos, mas não haja cursos de escutatória. Muita gente quer falar. Poucos querem ouvir.

A maioria quer ser escutada. Talvez, pondera Rubem Alves, antes de se iniciarem as atividades de ensino e aprendizagem, os professores se dedicassem por semanas, de repente meses, a simplesmente ouvir as crianças. No silêncio das crianças há um programa de vida: sonhos. É dos sonhos que nasce a inteligência. A inteligência é a ferramenta que o corpo usa para transformar os sonhos em realidade. É preciso escutar as crianças para que a sua inteligência desabroche.

Para finalizar, Rubem Alves sugere que, ao lado da sua justa preocupação com o falar claro, os professores tenham também uma justa preocupação com o escutar claro. Amamos não a pessoa que fala bonito. É a pessoa que escuta bonito. A escuta bonita é um bom colo para uma criança se assentar...

É assim como o mundo do ouvir se manifesta a Rubem Alves. E você, como ouve o silêncio?

______________________________________________________
Artigo veiculado na Rádio Som Maior Premium no dia 10/12/2012 e publicado no Jornal A Tribuna no dia 11/12/2012.

Voltar para Café com Mistura

1 Comentários para "A Arte de Ouvir"

  • tiago duminelli - 10/12/2012

    Quando o assunto é criança sou a favor de um novo metodo de educação, o de deixar as crianças utilizarem suas criatividades e nao fazer o contrario.

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...