Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

Digladiadores de Si

Deixe um comentário

Ouça o audio deste artigo

Digladiadores de Si

Querido leitor, paz! Estou sentado na frente da  nossa casa de praia, em Jurerê. É final de tarde. Aproveito a sombra, pois o sol se esconde atrás de um pé de acácia negra logo ali na minha frente. Tudo é harmonia e tranquilidade.

Qual não foi minha surpresa quando ouço um som estridente e estranho vindo do meu lado esquerdo. Corro os olhos e incialmente não vejo nada. Mas depois, um pouco mais detido aos detalhes, avisto, um pouco afastado, um gavião que bicava o vidro espelhado. De camarote, observo aquela ave se digladiando consigo mesma a ponto de ir contra o espelho várias vezes, deslizando de cima para baixo até sumir atrás das telhas.

Fiquei ali olhando aquele episódio atônito. Mesmo à distância percebi que aquela guerra contra si mesma estava deixando a ave ensanguentada. E, mesmo assim, ela não parava de brigar consigo mesma.
Sentado no deck da área defronte a nossa casa, observando tudo aquilo, comecei a sentir uma compaixão profunda e a dor vista a distância do sangue daquele pássaro passou a ser a minha dor. Não tive como também me voltar para mim  e ver quantos de nós não faz verdadeiras guerras mentais consigo mesmo, dentro de si, e acaba se machucando, se ferindo. E, muitas vezes, é só um pensamento, uma projeção interna. Se formos a fundo é só pensamento, não é fato.

Isso não é incrível?

Lembro de uma querida amiga no alto dos seus 40 anos. Uma bela mulher, já com autonomia financeira, um bom trabalho, uma profissão invejável. Mas, no dizer dela, infeliz por estar sozinha. “Meus pais me impediram de sair, de conhecer outras pessoas e acabei ficando só”, explicava. Diante da pergunta de onde estavam seus pais, a resposta comparada a do vidro espelhado: “Morreram, ele tem 10 e ela 12 anos”. Que coisa não?

Inquieto e sensibilizado, como terapeuta, como filósofo clínico, fiz algo que minha intuição mandou fazer. Ir ao encontro do gavião e, com uma folha caída de uma palmeira, espantei a ave da frente do vidro espelhado. A ave voou, mas sem explicação, retornou minutos depois a bicar o vidro.

Assim como aquela ave, algumas pessoas não se deram conta que seu maior inimigo pode ser ela mesma.

Lembrando que isso é assim para mim hoje.

Beto Colombo

Voltar para Café com Mistura

2 Comentários para "Digladiadores de Si"

  • Marilucia Gandon - 25/09/2014

    Os agendamentos mesclados a axiologia para algumas pessoas é uma prisão. Libertar-se destas amarras, muita vezes é um processo doloroso, mas possível.

  • Jô Lopes - 02/12/2013

    Querido Beto,boa noite !

    Realmente, algumas pessoas não se dão conta que seu maior inimigo pode ser ela mesma: vivem o maior tempo, se criticando,se cobrando,se culpando,se maltratando.Enfim,não se percebem como humano e sim como objeto de utilidades, sem limites. Mas, felizmente existem os terapeutas que podem junto com a pessoa encontrar um meio para auto-descoberta.Isto é se este for o desejo do partilhante.Abraços Jô Lopes

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...