Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

Face to face

Deixe um comentário

Ouça o audio deste artigo

Face to face

Querido leitor, paz! Mesmo que agora seja somente o presidente do Conselho da Anjo, um dos meus papeis existenciais ainda continua sendo o de administrador de empresas e, dessa forma, adquiri alguns hábitos que não abro mão. Um deles é que geralmente não chamo meus liderados para conversar em minha sala, eu vou à sala deles.

Meus colegas de trabalho sabem que quando estou na frente deles e sou interrompido pelo telefone do outro, principalmente o celular, levanto e encerro a conversa. Tenho minhas razões para isso. A principal é que se a pessoa do outro lado da linha é mais importante que a nossa conversa, então podemos deixar para depois, isso sem falar da falta de educação.

Claro que compreendo que há os casos de urgência e emergência, mas esses, como sabemos, são exceções e como exceções vão ser tratados. O que me irrita é que atender telefone na frente do outro virou regra. E parece que um bom grupo aceita isso possivelmente porque também tem essa prática. Desse jeito, daqui a pouco, seremos um bando de gente junta conversando com outros ao telefone.

Às vezes sou convidado a tomar um cafezinho com colegas e dificilmente o papo tem continuidade devido a interrupção de ligações de celulares e, em alguns casos, a pessoa atende e fica expondo ideias e assuntos particulares em voz alta na frente do grupo. Um momento constrangedor, pelo menos para mim.

Recentemente, esperava na fila de uma repartição pública para ser atendido, mas a demora era grande porque tinha somente um atendente que recebia as pessoas e atendia ao telefone, tudo ao mesmo tempo. De repente ouvi um senhor atrás de mim conversando por telefone com a atendente. Ele ligou da fila para a repartição e foi atendido mais rápido. Olhamos para ele que se desculpou e disse que estava com pressa.

Do jeito que estamos indo, daqui a pouco teremos algum tipo de LER – Lesão por Esforço Repetitivo – advinda justamente pelo uso excessivo e repetitivo do celular. Mais do que isso, como conheço muitas pessoas que se sentem nuas e não saem de casa sem o tal aparelho, inclusive levam para o banho e dormem com ele, o telefone celular deverá ser eleito o segundo melhor amigo do homem. O primeiro? É o cachorro é claro. Mas desde que a foto do animal esteja estampada no visor do celular.

Lembrando que isso é assim para mim hoje.


Beto Colombo

Voltar para Café com Mistura

4 Comentários para "Face to face"

  • Jô Lopes - 08/10/2013

    Boa noite Beto, querido...!

    É fato,isto acontece com pessoas que as vezes nem percebem que estão em público: falam até coisas íntimas delas e dos outros.Parece que estão invisível...Abraços...Jô Lopes

  • cidinha - 07/10/2013

    TIM TIM! brinde ao Beto. A conversa pessoal, além de proporcionar troca de diversas outras mensagens subjetivas tem gosto, cheiro, panorama, sensações da pele...

  • Mariza - 07/10/2013

    Isso é também assim para mim. Gostei do que li. Um abraço!

  • Narbal Teixeira da Rosa - 07/10/2013

    Fantástico, o homem é dependente da tecnologia, principalmente do telefone. Quando isso vai acabar? estou em estágio, como professor de filosofia, e me assustei com o nº de telefones usados em sala de aula para uso de internet, chega ser um absurdo!
    Narbal

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...