Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

Moísmo

Querido leitor, que você esteja bem. Hoje vamos conhecer um pouco mais sobre um pensador pouco citado, vamos nos aprofundar no filósofo Mozi, que viveu de 479 a 372 antes de Cristo.

No século V antes da era cristã, o filósofo chinês Mozi, horrorizado com a devastação provocada pela guerra no seu tempo, perguntou: "Qual é a via para o amor universal e o benefício mútuo?”

Mozi, ou senhor Mô, teve sua educação baseada na tradição chinesa com base nos textos clássicos. Anos mais tarde, passou a repudiar a ênfase nas relações de clã e fundou sua própria escola de pensamento, cuja base fundamental era o amor universal.

Com isso, o pensador queria dizer que os seres humanos deveriam se preocupar com todas as pessoas da mesma forma, do mesmo modo, independentemente de seu status, poder aquisitivo, ou de sua relação conosco. Esta filosofia é hoje conhecida como Moísmo que, segundo Mozi, é benevolente e está em conformidade com o mandato do céu.

De acordo com “O Livro da Filosofia”,  Mozi acreditava que há sempre reciprocidade em nossas ações. Devemos tratar os outros como desejamos ser tratados, assim recebemos similar tratamento em troca.  “Ama o teu próximo com a ti mesmo”. Essa frase de Jesus lembra alguma coisa com a de Mozi?

Para ele, se esse tratamento fosse aplicado por governantes, esse princípio evitaria guerras e conflitos. E se aplicado por todos haveria uma sociedade mais harmônica, mais produtiva. Sonho? Utopia? É bom que lembremos que se trata de um filósofo anterior ao mestre Jesus, quase 400 anos antes.

Essa mesma linha de pensamento Moísta foi resgatada no século XIX no ocidente, onde se criou uma corrente similar, conhecida como utilitarismo. Estudando um pouco mais, percebemos que Mozi foi o primeiro filósofo a falar do utilitarismo.

Conhecido agora na filosofia contemporânea destaca-se o filósofo australiano Peter Singer que aborda o utilitarismo e, para isso, se baseia na ética. Sobre este tema, inclusive, ele tem um livro intitulado “Um só Mundo”, publicado em Portugal. Outra publicação de destaque de Singer é o “Livro da Libertação Animal”, publicado em 1975, que afirma que no sofrimento os animais são “nossos iguais”.

No século V antes da era cristã, o filósofo chinês Mozi, horrorizado com a devastação provocada pela guerra no seu tempo, perguntou: "Qual é a via para o amor universal e o benefício mútuo?" E respondeu à sua própria pergunta: "É considerar os países dos outros como o nosso próprio país".

É assim como o mundo parecia a Mozi. E você, tem alguma prática sobre a via para o amor universal?

Beto Colombo

Voltar para Café com Mistura

1 Comentários para "Moísmo"

  • Maria Rosária Soares Leite Oliveira - 05/01/2013

    Pode passar mil anos um dia você encontra um jardim ou um perfume que lhe traga lembranças, pena que não pode ser a mesma coisa com as pessoas, elas se transforma de maneiras assustadoras.

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...