Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

O Exemplo da Cigarra

Deixe um comentário
O Exemplo da Cigarra

Querido leitor que você esteja bem. O poeta Fernando Pessoa, que escreveu barbaramente sobre tantas coisas deixando-as mais simples e entendíveis, também se aventurou por caminhos dos mais diferentes. Escreveu sobre o amor, é claro, sobre vida, trabalho, filhos, enfim, um poeta completo. E um dos temas que mais prefiro é o filosófico, do autoconhecimento. Por isso pincei um dos que mais gosto para compartilhar com você.

Diz o poeta: “Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares”. Para ele, esse é o tempo da travessia. Contudo, lembra o poeta lusitano, “se não ousarmos fazê-la”, no caso, a travessia, “teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”.

Pegando o gancho de Fernando Pessoa, agora trago neste artigo um inseto que vai emprestar a sua metáfora para o nosso entendimento.

De todos os insetos, a cigarra é o que tem o ciclo de vida mais longo. Em alguns lugares, as larvas chegam a ficar até 17 anos debaixo da terra esperando o momento certo para se tornarem adultas. No Brasil são, no máximo, três anos.

Então, na primavera, as milhares de larvas emergem do chão e iniciam uma longa escalada pelo tronco das árvores. É aí que em poucas horas a cigarra se despoja da casca que a cobriu durante anos e ganha asas. Daí em diante, ela terá poucas semanas para se alimentar, acasalar, procriar e morrer.

Lindo!

O navegador solitário, Amyr Klink, resume toda a minha intenção em uma pequena frase com onze palavras: “Um dia a gente tem que deixar de sonhar e partir”.

Lembrando que isso era assim para Klink e é para mim hoje.

Beto Colombo

Voltar para Café com Mistura

2 Comentários para "O Exemplo da Cigarra"

  • Jô Lopes - 14/07/2013

    Boa tarde Beto Querido!
    Penso que estamos sempre querendo mudar, como a cigarra,nessa partida buscamos algo novo em nós,nos outros, na vida.Mas a nossa roupagem se desgasta sem recuperação.
    Mesmo assim,buscamos partir para as mudanças.

  • André - 12/07/2013

    Muito boa lembrança! Obrigado!

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...