Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

O Novo e o Velho

Deixe um comentário
O Novo e o Velho
Querido leitor, nas organizações humanas, talvez o grande dilema que atravessa gerações seja a convivência do novo, que é geralmente implacável, com o velho, que em muitos casos é inconteste. 

No conceito básico budista, sofremos porque nos apegamos ao que passou, ao velho. Negamos e renegamos a impermanência, ou seja, de que ninguém se banha na mesma água. Afinal de contas, a água flui, a vida passa e o rio vai ao encontro do mar.

Osho, mestre indiano que se mudou para os Estados Unidos onde morreu na década de 1980, diz que a vida é o novo, a morte é o velho. Para ele era assim e geralmente tem sido assim.

Para termos uma ideia deste confronto é só olharmos em casa, onde nossos filhos adolescentes e jovens, querendo se posicionar na vida, confrontam-nos num bonito duelo entre o velho e o novo. No trabalho este confronto muitas vezes é implacável, pois exige transformação de muitos que teimosamente insistem em se apegar ao velho.

Antigamente, quando meu pai precisava formar uma boa junta de bois para arar a terra, ele cangava um boi mais velho e experiente com um terneiro novo, forte e sem experiência. No início era difícil, logo, com um pouco de persistência o trabalho fluía.

Lembro do livro “Quem mexeu no meu queijo”, de Spencer Johnson, onde Hem, o personagem apegado não se conforma que o estoque de queijo havia se extinguido. Nostálgico, ele acreditava que assim como sumiu, o estoque retornaria. Jamais retornou.

Digo isso para contextualizar o que vi recentemente nas praias de Florianópolis, onde, há anos, os pescadores, no final do outono e início do inverno, aguardam a entrada das tainhas. Fazendo o caminho da ilha, observei a cada praia, homens olhando fixamente para o mar numa repetição do velho que vem desde os pais, avós, bisavós, tataravós...

Contudo, penso que um dos segredos da nossa existência é justamente a convivência pacífica entre o novo e o velho. E na singeleza e simplicidade dos pescadores pude perceber isso. 

Lembro que há anos, o olheiro avisava os demais pescadores que aguardavam na praia fazendo sinal com uma bandeira. Às vezes levava um bom tempo para ser notado. Passou o tempo e as tecnologias foram mudando, a ponto de usarem, inclusive, fogos de artifício. O novo sempre se fazendo presente.

Contudo, nos dias atuais, o novo veio com o mais novo e agora, ao invés de bandeira, de foguetes, os pescadores têm o celular. Por intermédio do telefone, os olheiros podem dar mais detalhes da localização, da quantidade de peixe e assim, os pescadores em terra, podem executar com mais eficácia suas atividades.

Um bom exemplo onde o novo e o velho convivem em harmonia e um em benefício do outro.

É assim como o mundo me parece hoje. E você, o que pensa sobre o novo e o velho?
______________________________________________________
Artigo veiculado na Rádio Som Maior FM no dia 31/12/2012
Voltar para Café com Mistura

2 Comentários para "O Novo e o Velho"

  • jorge - 09/12/2011

    quando o novo vem para fazer o bem,seja bem vindo,mas se o novo for usado pelo predador de forma errada muito cuidado,pode levar algumas especies à extinção. Hà algumas coisas que eu não abro mão do velho pelo novo; FOGÃO À LENHA...VINHO...E O NOSSO BOM E QUERIDO VÉLHINHO PAPAI NOÉL.

  • Irva - 08/12/2011

    Beto querido:
    Conhecer voce,significou muito mais do que confrontar "o novo com o velho"...acima e tudo conhecer-te, foi ratificar a idéia, de que o cotidiano com a sua implacabilidade nos oferece tambem "regalos" especiais, escondidos no interior de pessoas tão especiais quanto você.
    Você com simplicidade, meguice e coração aberto para abrigar, os " companheiros da estrada", deixou aqui as marcas da sua passagem, a qual sempre lembraremos com muito carinho.
    Beijo da Irva

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...