Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

Ouça o audio deste artigo

Querido leitor, que você esteja bem. Hoje vamos refletir sobre O Outro.

De todos os animais, talvez o ser humano seja aquele que mais necessita do outro, a começar pelo tempo em que começa a ter decisões próprias, autonomia de ideias e financeira. Lembro-me de quando estava no caminho de Santiago e filosofava despreocupadamente quando tive um insight: “O eu somos nós”. E aqui vale refletir, pois jamais chegaremos ao “nós” se não reconhecermos que fora de mim há o outro e que este outro também sou eu. 

Por isso, hoje desejo falar com você sobre este encontro com o outro.

Para mim, falar do outro é falar de Emmanuel Lévinas, filósofo francês nascido numa família judaica na Lituânia. Apesar de ser exilado e aprisionado pelos nazistas, forçado a viver no cativeiro, onde escreveu e desenvolveu boa parte de sua filosofia, ele nunca se referiu aos nazistas como monstros. “Não posso reduzir uma pessoa a um ato”, explica sabiamente sua posição, que completa: “Se eu chamar aquele de monstro eu estarei me tornando o monstro”, referindo-se a um soldado que momentos antes havia fuzilado uma criança judia. 

A filosofia de Lévinas nos leva ao encontro do outro e a Deus. “Só podemos conversar com Deus quando reconhecemos o outro”. A religião é a manifestação mais sublime da acolhida do outro. Talvez “Deus seja o outro”. Num jogo de palavras, somos uma aglomeração de “Eu”, portanto, muitos de nós somos um grupo de Eu, de Eus, de Deus.

O “outro” como pessoa é terra santa, sacralidade absoluta, solo sagrado. Ao aproximarmo-nos dele é necessário que tiremos nossas sandálias. É necessário despojar-se de si mesmo e diluir-se no outro com ouvido atento sem oferecer julgamento. É fazer-se responsável pela sua existência. 

Entre eu e o outro existe um infinito. Dizer que conhecemos o outro é negar este infinito sagrado.  O que mesmo eu conheço da pessoa que se encontra na minha frente? O outro é como um iceberg, nós vemos apenas uma fração que às vezes o outro se permite mostrar, a grande parte está escondida. Não respeitar esse infinito que existe entre eu e o outro é negar a existência de Deus no outro, é negar o outro como sagrado, o outro como religião. 

Para Lévinas, Deus é manifestação do sagrado a partir da relação com o outro. Quando estou diante de uma pessoa só sei que nada sei a respeito daquele solo sagrado e a sujeira incrustada nas minhas sandálias deve ficar lá fora, distante.

A regilião judaico-cristã diz: “não matarás”. Não matarás, no dizer de Lévinas, é que não devemos reduzir o outro a uma ideia, a um ato. Matar é o mesmo que reduzir as virtudes, a história e todo acervo do outro apenas numa atitude, num erro. O outro é muito mais que isso. 

Algumas vezes esquecemos do outro como sagrado e no primeiro deslize, no primeiro erro, reduzimos o outro ao erro. No momento que reduzimos o outro ao erro cometido, então estamos nos afastando do sagrado. O outro é muito mais que aquele ato cometido por ele, mesmo sendo um ato monstruoso.

Para Lévinas, a religião verdadeira é a manifestação do sublime na acolhida do outro. Quando acolhemos o outro, logo nos aproximamos do sagrado. 

Isso é assim para Lévinas e para mim hoje, fonte que eu também bebo. E para você, o outro o que é?
______________________________________________________
Artigo veiculado na Rádio Som Maior Premium no dia 21/10/2011 e publicado no Jornal A Tribuna no dia 22/10/2011.
Leia novos artigos nesse espaço a partir de março de 2012.
Voltar para Café com Mistura

1 Comentários para "O Outro"

  • Adauton - 02/03/2012

    E' verdade o Outro so precisamos saber o que ele nos contar o mais e apreciar o ser.

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...