Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

O Silêncio e os Agendamentos

Deixe um comentário

Ouça o audio deste artigo

O Silêncio e os Agendamentos

Querido leitor, que você esteja bem! Hoje vamos refletir sobre um tema corriqueiro em nossos dias e na Filosofia Clínica, que são os agendamentos. E inicio fazendo um deslocamento longo, vou lá nos idos de 1970 quando ainda estava no ensino primário. Trago a apresentação de uma professora substituta que iniciou dizendo que nós poderíamos chama-la de Dona Maria de Fátima Coral, e “coral”, frisava ela, é nome de cobra braba. “Ah, o que vou ensinar é matemática pra vocês durante toda esta semana”.

Com seu jeito sutil de cobra coral, ela ainda disse que depois dos ensinamentos, faria algumas perguntas e “quando eu faço uma pergunta eu exijo uma resposta”. Não me recordo direito, mas me parece que foi nesse dia uma colega, a Maria do Carmo, urinou-se, provavelmente de medo. Naquela semana foi o recorde de ausências por doença na sala.

Aquela frase da professora de que “quando eu faço uma pergunta eu exijo uma resposta” ficou em minha mente como uma verdade a não ser questionada até há poucos anos atrás. Simplesmente estava ali agendada e funcionava como uma baliza nas minhas conversas.

Provavelmente, nestes meus mais de 50 anos de existência, as minhas respostas para algumas perguntas obedeciam a este agendamento. Sempre tinha que responder, sempre! Quantas vezes a resposta ideal era o silêncio, mas não conseguia permanecer quieto devido essa imposição que eu acreditava ser um ensinamento verdadeiro. Podia ser verdade para aquele ambiente escolar, para a professora, mas não para a vida. Hoje, ainda tenho observado atitudes de algumas pessoas dando resposta, me parecendo que a sociedade nos obriga a responder todas as perguntas e a reagir a todos os ataques.

Querido leitor, o tempo e os sábios têm nos ensinado que não precisamos responder a todas as perguntas e muito menos a reagir a calúnias, fofocas, provocações. Silêncio, ah o silêncio. Rubens Alves diz: “Só fale se a tua fala for melhorar o silêncio”. Que coisa não?

Às vezes recebo mensagens e simplesmente não respondo e o emitente algumas vezes me xinga com outro e-mail por não ter respondido, porém, o silêncio é a resposta. Quem me conhece sabe que meu silêncio fala muito. Muitas vezes a minha melhor conselheira é a dúvida e quando tenho dúvidas a resposta é “Não sei”,  como nos ensinou o Filósofo Sócrates, “só sei que nada sei de tudo quanto sei”. Eis a resposta.

E finalizo com Xenócrates da Calcedonia, outro filósofo grego que viveu de 396 a 314 a.C.: “Arrependo-me de coisas que disse, mas nunca do silêncio”

É assim como o mundo me parece hoje. E você tem resposta para este artigo?

Beto Colombo

Voltar para Café com Mistura

2 Comentários para "O Silêncio e os Agendamentos"

  • Natália - 28/12/2012

    ... silêncio...

  • Simone - 19/12/2012

    Realmente, não temos de ter respostas para tudo, e nem temos mesmo. Ponderar se responde ou silencia é sábio, mas quanto a frase de Xenócrates, já me arrependi de ter silenciado. Muito bom artigo!

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...