Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

O tempo existe

Deixe um comentário
Nos séculos XVII e XVIII, quando o protestantismo estava em pleno apogeu na Europa, espalhavam-se os discípulos de Martinho Lutero pela Alemanha, e iniciava-se o grande êxodo de europeus para o Novo Mundo. No Brasil, como resultado dos movimentos abolicionistas, contratavam-se trabalhadores para substituírem os escravos. 

Para cá vieram católicos italianos, espanhóis e alemães, que se juntaram aos católicos portugueses. Mas nos EUA, quem realmente imigrou, em sua grande maioria e adotou a América do Norte como pátria foram os puritanos. 

Surgiu do puritanismo protestante, essa obsessão por aproveitar produtivamente cada minuto livre. Antes disso, o tempo era medido por tarefas: quem perguntasse a que horas um cidadão voltaria para casa, ouviria, por exemplo, a seguinte resposta: “Assim que ele assentar cinco metros de muro”. Foram os protestantes os principais responsáveis pela inversão de tal lógica, que seria a gênese da meta de hoje.

Trabalhar passou a ser uma forma de louvar ao Senhor e o tempo ocioso virou ofensa moral, uma heresia. Assim, o tempo deixou de ser medido por tarefas realizadas, as tarefas é que passaram a ser medidas em tempo.

Foi desse período a famosa frase: “Tempo é dinheiro”. A partir das ideias que ela veicula, tornamo-nos escravos dessa crença e inundamos nossas vidas com sequências de compromissos com mínimos intervalos.

Para mim, foi a partir daí que nos tornamos cada vez mais impacientes, querendo informações imediatas, nos transformando em consumidores nunca satisfeitos. Afinal de contas, o tempo existe? Mais: é o tempo que passa rápido ou somos nós que passamos?

É assim como o mundo me parece hoje. E você, o que pensa sobre o tempo?
______________________________________________________
Artigo veiculado na Rádio Som Maior Premium no dia 01/09/2011 e publicado no Jornal A Tribuna no dia 02/09/2011
Voltar para Café com Mistura

2 Comentários para "O tempo existe"

  • Albertina Manenti Silvesrini - 02/09/2011

    Querido Beto, penso que a grande questão não é administrar o tempo, mas sim administrar as próprias expectativas, não dá para administrar o tempo sem que administramoas a nós mesmos, caso contrário corre-se o risco de ser administrado pelos outros e pelas circunstâncias. Administrar bem o tempo para mim é eleger as prioridades, fazer escolhas.Lembro-me quando fiz Pós graduação em Planejamento Estratégico, que um professor colocava sempre que, a administração do tempo implica em preticar três deisciplinas seja nas empresas, na vida pessoal, profissional, enfim... tais disciplinas são:reflezão, planejamentoe e estar consciente das trocas de experiências. Uma das dicas de aproveitar bem o tempo é planejar o dia a dia. Tirar 10 min. para pensar no que precisa fazer durante o dia. Meia hora no final de semana para planejar a sua semana. Prestar atenção no presente, pois há pessoas que se desconcentram, pois ficam preocupadas com o que estão fazendo e com o que está pendente. A questão é pensar e ficar no aqui e agora e saber tirar o valor dos contatos que este momento oferece É assim que consigo me organizar e conciliar os meus compromissos que não são poucos.É assim que me construo.

    um abraço,
    Albertina

  • wagner g. cardoso - 01/09/2011

    Tempo! Quando somos crianças ( em idade ) o tempo demora uma eternidade a passar, hoje adultos, mal inicia o ano e já termina, o tempo não mais passa e sim voa, será porque?! como dito pelo amigo, uma tarefa em cima da outra, sem intervalos, poderia acrescentar, ansiedade, querermos que o tempo passe rápido pra chegar um determinado dia e esquecemos de viver o hoje, esperamos que a felicidade esteja no futuro....esquecemos ou deixamos de hoje, vejo que o hoje mesmo com as maiores adversidades, é um tempo bom....tempo!!!...algo que desperdiçamos, acreditando ter muito a frente.....algo que não pode ser comprado...mais é muito desperdiçado....aproveitar mais cada segundo.É o que me penso hoje sobre tempo.

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...