Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

Transtornos Momentâneos Melhorias Permanentes

Deixe um comentário
“Transtornos momentâneos, melhorias permanentes.” Este é o teor da placa de sinalização que encontrei em um dos trechos da duplicação da BR-101 que está há anos em franco desenvolvimento no Estado de Santa Catarina. Provavelmente o ouvinte que, como eu, faz este trajeto entre o sul do estado até Florianópolis, já deve ter se deparado com este letreiro: Transtornos momentâneos, melhorias permanentes.

São quatro palavras cujo objetivo, concluo, é inteligentemente pedir desculpas pelos “problemas” com a duplicação, que são muitos. Inclusive a questão segurança que fica bastante prejudicada, provocando vários acidentes fatais neste trajeto. Subliminarmente, deduzo, os administradores daquele consórcio querem dizer que depois da tempestade vem a bonança. Que depois dos transtornos momentâneos, vêm as melhorias que serão permanentes.

É sabido que nada ou quase nada é para sempre. Os judeus e cristãos, argumentando a bíblia, dizem que há o tempo das vacas gordas e o das vacas magras. Já os budistas trabalham com o conceito da impermanência. Karl Marx dizia que tudo que é sólido se desmancha no ar. E a música canta: “Não adianta escrever seu nome numa pedra, pois esta pedra em pó vai se transformar…” 

Muito bem, nada é, a não ser Aquele que É. Tudo está, e por isso, tudo passa.

Parece que não é o tempo que passa, somos nós que passamos. “Eu sou nuvem passageira, que com o vento se vai”. Talvez por isso que pintamos o cabelo, fazemos cirurgias plásticas, limpamos os limos das calçadas e telhas. Tudo porque não aceitamos a ideia de que há o ciclo natural de nascer, se desenvolver, crescer, ser e passar. Existem “famosos” que até quando saem nas colunas e revistas ditas sociais o fazem, algumas vezes, com fotos antigas.

A ciência nos diz que o ser humano é o único animal que tem consciência que vai passar (alguns dizem morrer), e é o único também que se bate contra isso, buscando a imortalidade nas pirâmides, no congelamento do corpo, enfim, buscando a sua imortalidade física. Aqueles que se comportam assim, enquanto fazem isso desesperadamente, deixam de curtir o instante, o momento presente. Talvez por isso seja o animal que está comprometendo a permanência da vida no planeta, onde o homem se instala há poluição, degradação, morte. De repente, ao invés de sonharmos nossas vidas eternas, devêssemos viver intensamente nossas vidas terrenas baseadas no poder do agora. Talvez assim, passaríamos com mais leveza, mais desapego. Assim eu penso, mas sei que para cada um é de um jeito.

Olhemos a potência do império romano que ruiu. Observemos a empáfia estadunidense que também está se esvaindo como nação hegemônica. Não é difícil lembrar um time de futebol com grande torcida que acabou na segunda ou terceira divisões, até mesmo um grande empresário que agora vive de aluguel e sequer tem um automóvel. Tudo passa, só o que não passa é o que É.

Não nos banhamos na mesma água. Tudo é um contínuo ir e vir, iniciar e encerrar, partir e chegar… Viver e renascer. Existem leis naturais para as quais não é inteligente ir contra, talvez nem entender, só sentir, relaxar e curtir, até porque não há outro jeito, há?

Transtornos momentâneos, melhorias permanentes. A princípio uma frase impactante e até inteligente se formos falar de consciência do “normal”, deste nível denso de realidade. Mas se formos um pouco mais além, sutilmente mais profundamente na questão, vamos concluir que se trata de um sofisma. Afinal de contas, nada é permanente, pelo contrário, tudo é impermanente. Até mesmo os transtornos de agora podem passar, é claro que vão passar. Mas eu não tenho a ingenuidade que depois de pronta a BR-101 será uma permanente rodovia do jeito que foi inaugurada. É só observar melhor que em alguns trechos duplicados já existem alguns buracos. Cadê a melhoria permanente?

É assim como o mundo me parece hoje. E você, o que pensa sobre transtornos momentâneos e melhorias permanentes?
______________________________________________________
Artigo veiculado na Rádio Som Maior Premium no dia 29/09/2011 e publicado no Jornal A Tribuna no dia 30/09/2011.
Voltar para Café com Mistura

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...