Ir direto para o Conteúdo

Beto Colombo

Artigos

Um Mundo Melhor?

Deixe um comentário

Ouça o audio deste artigo

Um Mundo Melhor?

Querida e querido leitor, aceite o meu caloroso e fraternal abraço. Eis a pergunta de nosso artigo de hoje: um mundo melhor é possível?

O filósofo australiano Peter Albert David Singer, ou Peter Singer, tem se destacado nos últimos anos por suas ideias revolucionárias, que unem administração, espiritualidade e ética. Em 2004 publicou, em Portugal, o livro “Um Só Mundo”, com artigos intrigantes e ideias esperançosas sobre nossa humanidade. Dentre eles, escreveu o artigo “Um Mundo Melhor?” O qual compartilho agora com vocês, meus leitores.

No século V, lembra Paul Singer, antes da era cristã, o filósofo chinês Mozi, horrorizado com a devastação provocada pela guerra no seu tempo, perguntou: "Qual é a via para o amor universal e o benefício mútuo?" E respondeu à sua própria pergunta: "É considerar os países dos outros como o nosso próprio país". Mozi, inclusive, já foi tema em um dos artigos desta coluna.

Diz-se que Diógenes, quando inquirido de que país era oriundo, afirmou: "Sou um cidadão do mundo". No final do séc. XX, John Lennon cantou que não é difícil "Imaginar que não há países […] / Imaginar que todas as pessoas / Partilham todo o mundo". Até há pouco tempo, estes pensamentos foram sonhos de idealistas, desprovidos de impacto prático sobre as realidades difíceis de um mundo de estados-nação. Mas agora começamos a viver numa comunidade global.

Paul Singer lembra, quase todos os países chegaram a um acordo compulsivo relativamente às emissões de gases de efeitos de estufa. A economia global deu origem à Organização Mundial do Comércio, ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional, instituições que desempenham - porquanto imperfeitamente - algumas funções da governação econômica global. Há um tribunal penal internacional a dar os primeiros passos.

Quando as diferentes nações tinham uma vida mais autônoma, era mais compreensível — embora igualmente errado — que as pessoas de um país pensassem não ter obrigações, para lá da obrigação de não ingerência, para com as pessoas dos outros estados. Mas essa época já terminou há muito tempo. Atualmente, como vimos, as nossas emissões de gases de efeito estufa alteram o clima em que vivem todas as pessoas do mundo. As nossas aquisições de petróleo, diamantes e madeira possibilitam que os ditadores comprem mais armas e fortaleçam o domínio exercido sobre os países que tiranizam.

Para o filósofo australiano, é necessário considerar seriamente estas reflexões. Precisamos ainda aprender a evitar que os organismos globais se transformem quer em tiranias perigosas quer em burocracias auto-alimentadoras e, ao invés, se tornem eficazes e responsáveis perante as pessoas cujas vidas afetam. Trata-se de um desafio que não deveria estar além do alcance dos melhores espíritos nos campos da ciência política e da administração pública, uma vez tendo-se ajustado à nova realidade da comunidade global e centrado a sua atenção nas questões da governação que ultrapassa as fronteiras nacionais.

Os séculos XV e XVI são famosos pelas viagens de descobertas que provaram que a Terra era redonda. O século XVIII assistiu as primeiras proclamações dos direitos humanos universais. No século XX, a conquista do espaço tornou possível que um ser humano olhasse para o nosso planeta a partir de um ponto a ele exterior e o visse, literalmente, como um só mundo. No século XXI vê-se agora a braços com a tarefa de desenvolver uma forma adequada de governação desse mundo único. É um desafio moral e intelectual assustador, mas não se pode voltar-lhe as costas. O futuro do mundo depende da forma como o enfrentarmos.

Trago novamente a música Imagine para encerrar: “Você pode até achar que eu sou um sonhador, mas eu não sou o único”.

É assim como o mundo me parece hoje. E você, acredita que é possível um mundo melhor?
________________________________________________
Artigo veiculado na Rádio Som Maior FM no dia 18/10/2012 e no Jornal A Tribuna no dia 19/10/2012.

Voltar para Café com Mistura

3 Comentários para "Um Mundo Melhor?"

  • Adauton luiz Deolindo - 18/10/2012

    Beto acredito que quando falarmos com humildade
    faremos um mundo melhor.

  • Jô Lopes - 18/10/2012

    Bom dia querido Beto...!
    Sim,acredito que é possível um mundo melhor,quando o mundo interior se tornar mais coerente com a realidade do mundo global,ao que se refere aos recursos espirituais,éticos,sociais entre outros que podem ser aplicados com responsabilidade de cada um, com perspectivas globalizadas...

  • Israel Francisco - 18/10/2012

    Um mundo melhor é possível sim Beto, e estamos caminhando para ele. O fato de visualizarmos esse mundo melhor já nos leva a arquitetar esse desejo. Paz profunda!

Deixe um comentário

Anjo Tintas e Solventes

Beto Colombo ©. Todos os direitos reservados

Desenvolvimento Burn web.studio
Carregando Dados...